NAVE À VELA: DESBRAVAR O UNIVERSO DA EDUCAÇÃO PARA INOVAÇÃO

Inovar na educação é cuidar do ecossistema

Mais de 150 professores formados em programas Makers

Empoderamento de uma nova educação

Mais de 2000 alunos em aulas curriculares

De “Prof. Pardal” a um olhar refinado de soluções para um mundo real.

Mais de 10 escolas atendidas

Investimento em protótipos e aquisição de recursos

Criada dentro do grupo CAOS Focado, que há mais de cinco anos trabalha com cultura de inovação em grandes empresas acompanhando inovadores sociais ao redor do mundo e ajudando novas empresas de tecnologia a atingirem seus mercados com propostas disruptivas, nós do Nave à Vela sabemos muito bem da importância da formação de crianças e adolescentes preparados ‘para o século XXI’, onde o importante não é o conhecimento em si, mas o que se consegue articular e construir com ele.

O Nave à Vela tem mais de dois anos de jornada implementando espaços e dinâmicas Makers em colégios, atuando como um catalisador de transformação e novas inspirações. Colocamos o aluno como explorador/criador de seu conhecimento e preparando-o nas habilidades necessárias para ser protagonista de sua história hoje e amanhã.

Queremos despertar o potencial inventivo que há em cada estudante, colocando-o como explorador e construtor do seu próprio mundo.

Nossa grande busca é entender como a tecnologia pode potencializar o objetivo de inserir cada aluno em uma jornada de auto-descoberta e construção de caminhos. Nossa estratégia para isso é a cultura Maker. Esse movimento surgiu nos EUA no início dos anos 2000 com uma proposta voltada para experimentação, construção e uso de tecnologias acessíveis. Com esses recursos na mão, aliados a uma metodologia, todo um universo de grandes possibilidades de aprendizado e inspiração se abre.

O movimento Maker evoluiu para influenciar diversas áreas e educação é uma delas. Para apoiar essa visão, trazemos o conceito de Maker Spaces, que são espaços de experimentação e prototipagem com ferramentas, máquinas, materiais e apoio físico. Desde que Neil Gershenfeld, diretor do Center for Bits and Atoms do MIT (Massachussets Institute of Technology) criou os Fab Labs (veja o box ao lado), os maker spaces evoluíram para se adaptar às várias realidades nas dezenas de países onde são implantados. Estabelecemos e damos apoio de conteúdo para maker spaces, sempre em parceria com as escolas.

Trabalhando com escolas de diferentes estilos e com alunos do 6º ao 9º ano, o NAV coleciona muitos sucessos e aprendizados. Aulas e projeto são pensados cuidadosamente para embarcar tanto alunos como professores. Usando metodologia própria, definimos o perfil inovador que permeia todo o processo, com as habilidades de Maker, Designer e Empreendedor.

Nave à Vela Habilidades de inovacao

Como fazemos: espaço + conteúdo

Makerspaces são espaços que devem permitir o trabalho em grupo e o acesso a diversas ferramentas de criação, sempre se preocupando em despertar a autonomia dos alunos no processo inventivo e sendo conduzidos por monitores do espaço, que carinhosamente chamamos de Gurus. Para criação dos espaços, ajudamos nos processos de:

  • Desenho e planejamento do layout do espaço.
  • Planejamento e instalação de mobiliário adequado.
  • Instalação e atualização de máquinas, ferramentas, componentes eletrônicos e materiais de consumo que devem estar disponíveis, contando com um inventário de cerca de 200 itens.
  • Sinalização e decoração para comunicar a organização, procedimentos de segurança e a filosofia de uso do espaço.

Queremos incentivar os Gurus, professores e gestores dos nossos colégios parceiros a usarem os conteúdos que produzimos e também a terem autonomia para se apropriar do espaço e a traduzirem nele a cara e a vida de cada escola. Estimulamos o uso livre pelos alunos para construção de seus projetos, como em um ambiente de biblioteca. Nossos parceiros contam com nosso apoio de conteúdo para desenvolver e sistematizar o funcionamento do espaço, além de:

  • Treinamento constante dos Gurus, monitores diretos do espaço, em conteúdos técnicos e pedagógicos.
  • Assessoria de marketing para que o colégio consiga comunicar de forma eficaz a proposta do espaço e a sua utilização.
  • Acompanhamento de perto da equipe Nave à Vela para implementação do projeto. Sabemos que trazer inovação para escolas significa 1% de inspiração e 99% de transpiração e esforço no dia a dia para que mudanças sejam de fato significativas.

Eletrônica

Desde Kits e componentes simples a microcontroladores programáveis com sensores e atuadores, a eletrônica é quem “dá vida” aos projetos, como para acender uma luz ao bater palma, fazer um carrinho andar desviando de obstáculos ou para construir um dispensador automático de ração para PETs, por exemplo.

Fabricação Digital

São as máquinas que geralmente mais chamam atenção em um FabLab, como impressoras 3D, cortadoras de vinil e a laser, que permitem precisão e acabamento incríveis para projetos que desafiam os alunos a imaginar suas soluções em um ambiente de criação digital para produzir e estudar esculturas gregas, adesivos para camisetas, peças de madeira de um drone, etc.

Ferramentas Manuais

Quem disse que marcenaria ou trabalhos manuais perdem a graça no mundo digital em que vivemos? Botar a mão na massa significa usar também palitos de sorvete e elásticos para criar uma catapulta, serras e martelos para fazer uma guitarra de madeira ou agulhas para costurar fios condutíveis em um projeto de roupa tecnológica, por exemplo.

Veja como o Nave à Vela ajuda escolas a repensar a educação

O contexto atual nos impulsiona a aproveitar as oportunidades que temos para inserir os alunos como protagonistas.

Maker Spaces

FabLabs e Makerspaces são espaços escolares equipados com diversas ferramentas de prototipagem que permitem a construção de projetos pelos alunos, usando a tecnologia para estimular a criatividade, autonomia e aprendizado pela experimentação. Equipados com ferramentas manuais, diversos componentes de eletrônica, impressoras 3D e outras máquinas de fabricação digital, esses espaços são entendidos como o próximo passo da Robótica Educacional e têm se popularizado com muita rapidez para criar experiências de aprendizagem cada vez mais significativas.

Tendo Seymour Papert fundado no MIT, com a criação do LOGO ‒ primeiro software de ensino de programação educacional, antes mesmo da popularização dos PCs ‒ o conceito do construcionismo, diversas tecnologias foram criadas para ‘permitir que o educando seja protagonista da construção do seu conhecimento através de suas próprias criações e projetos’, passando pela robótica educativa, programação democratizada e agora pelo Movimento Maker e o acesso a processos de fabricação digital. Criar dinâmicas Makers, que envolvam construções físicas aliadas ao mundo digital, é um excelente contexto para engajar alunos de diversos perfis e interesses diferentes no desenvolvimento de conhecimento e habilidades, criando atividades não tecnicistas, mas plurais e que permitem aos alunos oportunidades variadas de exploração, engajamento e construção de seus próprios projetos.

E aí, o que vamos inventar na próxima aula?