Apesar de reconhecidamente citado pela primeira vez em 2011, pelo investidor Nova Spivack, a primeira venture builder (VB) é considerada a IdeaLab, criada de 1996. Vários nomes têm sido usados para falar sobre as construtoras de startups, entre eles startup studios, venture studios, startup factories, company builders, etc; o termo mais comum no Brasil é Venture Builder.

O modelo de VB já é responsável por muitos exits e sucessos no mundo e tem sido cada vez mais estudado e comparado com outros. Alguns dados dão conta de taxas internas de retorno (TIR) de 53%, além de resultados 30% melhores em retorno do investimento e tempo para atingir a maturidade do negócio. O próprio Spivack, que cunhou o termo, voltou para dizer que teve uma “média de acertos de 50%” e que era “maior que os 10% de Venture Capital“. Outros estimam ser possível um múltiplo de 10x com uma VB de boa performance. 

Falando em pioneiras, os números da Idealab são impressionantes: das mais de 100 iniciativas, 70% continuam ativas e 5% se tornaram unicórnios. A Pioneer Square Labs, a veterana Betaworks e a High Alpha já têm atraído o interesse de fundos notórios nos EUA e praticamente todas as VB contam com exits ou rodadas de investimento no histórico, inclusive no Brasil. A CAOS Focado, por exemplo, teve a recente saída da Nave à Vela e rodada Seed para a Cromai, além de rodadas de investimento anjo para outras ventures

Source: GSSN

A Global Startup Studio Network (GSSN) é uma rede de dezenas de iniciativas de builders pelo mundo e já contava com mais de 70 integrantes em 2019⁠; os números podem facilmente ultrapassar globalmente 700 VB segundo estudo da Enhance Ventures. Apesar de uma clara diferença em relação a outros modelos como aceleradoras e incubadoras – as VB são muito mais “mão-na-massa” – ainda assim os modelos têm variações. 

Algumas empresas nacionais  e internacionais se apoiam no amplo e ainda não bem definido conceito e juntam a ele a oferta de aceleração de negócios, muitas vezes aliando-se à corporações e a fundos de capital de risco. Porém, ao nos atentarmos aos tópicos descritos fica um pouco mais clara a distinção entre incubar, acelerar e construir. De qualquer forma, todos são fruto do mesmo ecossistema e interagem entre si em diferentes aspectos da criação de startups. Como veremos, existem muitos modelos híbridos que tentam aproveitar as melhores práticas de cada ator do mercado.

Conheça os principais modelos de construção de startups, baixe o e-book grátis aqui!